sexta-feira, 16 de junho de 2017

Bestas de Dimensões Distantes - Anatomia dos Mastins de Tindalos


Há muitos perigos no Universo profano dos Mitos de Cthulhu, mas poucas criaturas podem ser mais aterradoras do que as entidades hiperdimensionais conhecidas como Mastins de Tindalos.

Por muito tempo, estudiosos da mitologia ancestral discutiram se haveria uma raça inteira dessas entidades ou apenas uma delas responsável por todas as tragédias e desgraças associadas a eles desde o início dos tempos. A maioria dos teóricos compreende que eles compõem uma espécie ancestral, tão antiga quanto o próprio tempo, ancestral na gênese do universo.

Os gregos clássicos teriam sido os primeiros a ter contato direto com os Mastins, em documentos do século quarto a.C em que Lycenus de Creta descreve o terrível destino de um feiticeiro que teve contato com um desses monstros. Contudo, na antiga Babilônia já existiam descrições de grandes feras sombrias com um corpo esquálido, consideradas como predadores atrozes que "caçavam homens para devorar-lhes a essência". Nos mitos das nações nórdicas, matilhas de grotescos perdigueiros auxiliavam os deuses em suas caçadas e em certas representações eles são descritos como alãos de corpo esguio e ferocidade incomparável. Capazes de empreender sua caçada através dos Nove Mundos, farejando suas presas onde quer que se encontrem. Os Celtas compartilhavam de rumores semelhantes, que contemplavam Cães ferozes que integravam a famosa Caçada Selvagem (Wild Hunt). Os nativos-americanos das nações Caw e Blackfoot possuem em seu folclore várias lendas a respeito de grandes predadores semelhantes a cães que buscam presas sobretudo shamans. De fato, os mitos à cerca de Grandes e tenebrosos cães, é tão difundido pelo mundo que é provável mais de uma dessas lendas se referir especificamente aos Mastins de Tindalos.

O Necronomicon faz menção a eles no raríssimo Kitab Al Azif que menciona esses horrores chamando-os de Aldarwas Fyruz (Literalmente, Mastim Feroz em árabe). Na sua obra mais apocalíptica, o iemenita de Sanaá, Abdul Alhazred, menciona os Mastins com indisfarçável assombro: 

"Dentre as coisas que habitam as passagens através do tempo, uma é mais vil do que todas as outras juntas. O peregrino que se aventura através dos arcabouços das eras, deve estar preparado para tal encontro. E deve tentar evitá-los à todo custo, pois as marés do tempo são o terreno de caça das feras Tind'Losi, o Aldarwas Fyruz".

Tamanho era o receio de alguns místicos em sequer mencionar essas entidades que versões do Necronomicom Grego foram censuradas omitindo as páginas do Al-Azif sobre essas criaturas. Um dos copistas anônimos a serviço de Theodorus Philletas teria sido responsável pela remoção dos trechos. Segundo rumores, ele teria rasgado as páginas e as engolido com cicuta para sepultar o saber profano em seu interior. Séculos mais tarde, quando a múmia desse escriba foi descoberta, trechos das páginas teriam sido achadas ainda legíveis em seu estômago.


Afora o Necronomicon e suas versões, apenas o Manuscritos Pnakóticos faz menção aos Mastins, revelando sua existência aos olhos dos Yithianos, seres famosos por empreender a exploração do tempo. Os Yithianos se referem aos Mastins pelo termo Tindalosianos, que muitos acreditam ser a terra de origem destas misteriosas criaturas. É razoável supor que a Grande Raça, raça alienígena que conquistou esse título por seu domínio temporal, detenha uma extensiva sabedoria a respeito dos Mastins. Certos místicos acreditam que a forma de deslocamento temporal da Grande Raça - usando hospedeiros para receber a consciência yithiana em diferentes períodos de tempo, tenha sido desenvolvida depois de tentativas mau sucedidas de exploração do tempo via deslocamento físico, o que se mostrou por demais arriscado graças a ameaça dos Mastins.

De acordo com um notável ocultista Halpin Chalmers - possivelmente o maior especialista na mitologia dos Mastins, essas criaturas se desenvolveram através de camadas de "tempo angular", enquanto a vida normal tem sua gênese em ondas de "tempo curvo". Essa teoria é extremamente controversa e pouco compreendida. A maioria dos documentos que explicavam a tese de Chalmers se perderam quando ele foi morto - supostamente por uma das criaturas que ele tentava compreender.

Sabe-se, entretanto, que tentativas de viajar através do tempo resultam em uma reverberação nos tecidos da realidade. Essa perturbação parece atrair a atenção dos Mastins de Tindalos que imediatamente se aproximam para investigar. Quando um viajante temporal é percebido, os Mastins o "farejam" e iniciam uma perseguição implacável através das faldas do tempo. Essa perseguição persistente continua até que a presa seja alcançada ou que ela consiga escapar - retornando para seu tempo ou buscando esconderijo em outra era. Presas alcançadas são dilaceradas nas presas da fera. Aqueles que conseguem lograr sucesso na escapada, no entanto, não estão livres de seu perseguidor. Os Mastins são conhecidos por "farejar" suas presas onde quer que elas se encontrem, viajando através do tempo para encontrá-los e os fazer em pedaços. Tamanha é a determinação desses monstros que uma vez iniciada a caçada nada os detém e nada mais tem importância para eles. Um Mastim pode empreender a caçada por semanas e até meses, investigando o paradeiro de sua presa em diferentes períodos de tempo. Existem fórmulas e cálculos de matemática avançada que permitem determinar quanto tempo um Mastim irá demorar para localizar sua presa, tendo como base a quantidade de tempo transcorrido entre o ponto no tempo em que a criatura percebeu seu alvo e onde ele foi parar. Com base nesse cálculo, muitos viajantes temporais tentam traçar uma estratégia para se proteger do ataque de seu terrível perseguidor.


Segundo Halperim Chalmers, uma das únicas maneiras de fazer com que os Mastins de Tindalos percam sua pista é se isolar em um aposento perfeitamente redondo, sem ângulos através do qual a criatura seja capaz de se formar. Viajando através do "tempo angular", os Mastins carecem de um ponto formado por um ângulo reto, sem o qual eles não podem se manifestar fisicamente em nossa realidade. Manter-se em um aposento redondo pode fazer com que o Mastim perca o rastro que está seguindo. Essa técnica, no entanto, não é à prova de falhas. Sabe-se de Tindalos que conseguiram seguir suas presas até o espaço correto no tempo correto, iniciando sangrentas buscas que lograram sucesso, mesmo com a presa perfeitamente escondida. Para auxiliar em suas caçadas, os Mastins podem invocar aliados metafísicos como sátiros (possivelmente servos de Shub-Niggurath) e Dholes para destruir esconderijos.

Outro fator preocupante é que, a medida que os Mastins se aproximam de sua presa, esta começa a sentir as emanações telepáticas do predador. Lentamente esse vínculo com a mente alienígena do Tindalos faz com que a vítima perseguida enlouqueça. O já mencionado ocultista Halpin Chalmers tentou se esconder em sua mansão em um aposento cujos ângulos retos foram cobertos de gesso e proteções místicas. Seu objetivo era escapar do perseguidor se mantendo lá até este perder o seu rastro. Ele poderia ter sucesso em seu plano, não fosse um inesperado terremoto que atingiu a região, fazendo com que as defesas erguidas por Chalmers desmoronassem.

Certas narrativas reunidas em um livro intitulado "The Black Tome of Alsophocus" (O Tomo Negro de Alsophocus, escrito em 1550), afirma que os Mastins de Tindalos são a personificação da própria corrupção e da entropia universal. Eles teriam ainda uma ligação íntima com a humanidade. Alsophocus, um monge cristão acreditava que a Queda do Paraíso era uma alegoria que envolvia a relação espúria entre o homem e os Mastins, representados na Bíblia como Servos de Satã. Acadêmicos que se debruçaram sobre esse trabalho sugerem que o mítico artefato conhecido como Trapezoedro Brilhante (Shinning Trapezohedron), está de alguma forma relacionado ao ódio que os Tindalos reservam para os seres humanos. Supostamente, o artefato, criado por Nyarlathotep, teria drenado parte da essência dos Tindalos, enquanto os humanos foram poupados desse destino por razões desconhecidas. O resultado direto disso fez com que os Mastins fossem aprisionados em uma cidade fantasmagórica na fronteira do Tempo Angular, onde eles se tornaram eternos prisioneiros.

Há conjecturas de que Nyarlathotep os aprisionou para oferecê-los como presente para Azathoth, mas são poucas as evidências que comprovam essa assunção. Para alguns estudiosos, a misteriosa cidade prisão, formada por imensas torres negras em formato de espiral, seria a origem do nome "Tindalos".


Estabelecer uma relação amistosa com Mastins de Tindalos parece ser virtualmente impossível, embora existam rumores nesse sentido. Uma matilha de Mastins conhecidos como ny'rela, teria sido compelida a servir um mestre humano especialmente poderoso, embora o rumor não revele detalhes de como essa barganha foi firmada ou se ela de fato envolvia exemplares de Mastins. Alguns conectam os Tindalos com o macabro Culto Cadáver de Leng, cujo símbolo é um cão alado.

 A origem dos Mastins de Tindalos é no mínimo obscura. As conjecturas mais populares supõem que eles podem vir do Passado distante ou de outra dimensão. O fato é que eles costumam atravessar eras inteiras e planos de existência simplesmente abrindo passagens dimensionais. Os Mastins podem realizar essa façanha meramente se concentrando e saltando nas passagens que foram previamente abertas. Essas passagens são normalmente envoltas por cortinas de fumaça cinza azulada ou esverdeada que ao abrir ou fechar descarregam eletricidade e faíscas. Antes da abertura de um portal é possível detectar um ruído de estática. Uma vez no interior da passagem, as criaturas podem se deslocar pelo tempo se materializando onde quer que exista uma passagem formando um ângulo reto. A capacidade de viajar através do tempo faz com que eles sejam virtualmente eternos, imunes a passagem dos milênios.

O termo "Mastim" se refere ao fato da aparência geral dos Tindalos lembrar remotamente a de um enorme cão, magro e longilíneo. Para muitos, a comparação é bem pouco satisfatória pois embora a criatura lembre de longe o formato de um cão, uma simples observação revela que eles guardam bem poucas similaridades com qualquer animal terrestre.

Os Mastim possuem um corpo longilíneo e magro a ponto de ser emaciado, com quatro pernas longas guarnecidas de musculosos tendões. Nas costas, estruturas ósseas da coluna se destacam, bem como costelas que compõem a caixa toraxica. Eles não possuem pelo ou mesmo pele o que lhes confere uma aparência cadavérica e alienígena. Todo corpo da criatura é coberto por camadas de uma substância de consistência viscosa semelhante a um piche negro. Para muitos, essa substância lembra uma sombra quase-sólida que acompanha a criatura garantindo a ela proteção e furtividade. À noite, o Mastim se mistura com a escuridão tornando-se praticamente invisível.  


Tipicamente eles tem um comprimento de 1,80 a dois metros, mas alguns espécimes podem ser ainda maiores chegando a quase três metros do focinho à ponta da cauda - quando esta existe. O movimento do Mastim é fluido e elegante, a criatura caminha com a altivez de um grande felino, saltando distâncias consideráveis graças às potentes pernas traseiras. Embora possa correr com velocidade, eles preferem usar seu deslocamento através dos planos para desaparecer de uma posição e surgir em outra quase que instantaneamente. Essa estratégia é utilizada principalmente quando o Mastim está caçando e deseja encurralar sua presa.

Para qualquer observador se torna óbvio que o Mastim é um predador. Suas patas terminam em garras afiadas formadas por pontas ósseas. O Mastim as usa para dilacerar suas presas com um eficiência cruel. Dotada de seis dedos com longas falanges, a pata se assemelha muito mais a uma mão, visto que têm capacidade táctil podendo agarrar e realizar tarefas manuais complexas. Um Mastim é perfeitamente capaz de segurar objetos, usar ferramentas e abrir portas. As patas traseiras são mais longas terminando em estruturas ósseas que lhe garantem estabilidade. Alguns espécimes possuem uma cauda sinuosa e comprida que lembra um tentáculo nodoso, outros possuem vários desses tentáculos espalhados pelo dorso ou sobre as escápulas.

A cabeça da criatura é o que chama mais a atenção, ela tem características vulpinas, embora não possa realmente ser comparada a nenhum animal da natureza terrestre. Os olhos são pequenos e desproporcionais, surgindo aos pares, mas podendo surgir em outros números, localizados em posições diferentes de cada lado da cabeça. Eles podem ser esverdeados, avermelhados ou ter um brilho púrpura que muitos salientam reflete inteligência e maldade. As orelhas em comparação são pontudas e sempre em estado de atenção, sendo que por vezes elas não são aparentes.

O crânio é alongado e o focinho extremamente comprido se dividindo numa bocarra que, aberta, se dilata para formar um ângulo obtuso. O interior dessa boca é dotado de fileiras de dentes tortos que crescem em todas direções em diferentes tamanhos e formas. As presas são afiados e a potência da mandíbula permite que a mordida cause danos consideráveis. Quando a boca se fecha, o Mastim tende a relhar as presas em um movimento de rasgar, como se fosse uma serra. Não é raro que a criatura após uma mordida perca vários dentes que ficam enterrados na carne da presa. Os dentes tendem a se deteriorar rapidamente e em poucas horas desaparecem. Uma única mordida pode resultar em quase uma centena de perfurações simultâneas.
Além dos terríveis dentes, outra característica da boca dos Mastins é a língua que serpenteia sem parar. Essa língua azulada tem uma forma tubular medindo até um metro e meio de comprimento. Ela é musculosa e pode ser usada como uma espécie de chicote agarrando, puxando e apertando quando necessário. A estrutura é oca, com uma fenda na extremidade, dela goteja uma bile de coloração azulada viva. Essa saliva viscosa, semelhante a um pus, escorre em profusão e quando o Mastim morde, acaba transferindo parte dela para o corpo da presa. Essa substância é extremamente tóxica representando uma grave ameaça quando em contato com seres vivos. Quando em contato com a pele, o pus provoca queimaduras cáusticas e levado à circulação, causa envenenamento. A exposição prolongada deixa marcas que lembram gangrena; a pele tende a escurecer e apodrecer em camadas que se cobrem de feridas sangrentas. A substância pode ser removida com uma toalha ou enxaguada com água, diminuindo assim sua letalidade. Uma presa coberta pelo pus pode morrer em poucos segundos, uma morte agonizante e dolorosa.

Análise dessa gelatina azulada demonstra que os Mastim não possuem enzimas em seus corpos. Enzimas, na natureza, são importantes para catalizar reações químicas, a maneira como o organismo do Mastim funciona é totalmente alienígena de um ponto de vista da biologia terrestre. A utilidade prática do pus azulado é desconhecida, é possível que seu propósito seja apenas defensivo, o que explica o motivo da criatura espalhar sobre suas garras a substância.

O pus causa a dissolução completa do Mastim quando ele é "morto" e o dissolve em poucos instantes não deixando nada para traz. Matar um Tindalo é tarefa extremamente difícil. A matéria que constitui a criatura e a substância sombria que a envolve agem como uma defesa contra a maioria dos ferimento que ele pode vir a sofrer. Feridas provocadas por armas de fogo, lâminas perfurantes ou contundentes simplesmente se fecham em instantes, sem prejuízo para o monstro. Fogo, eletricidade, ácido, radiação... nada, com exceção de magia, causa dano duradouro na criatura.  

Biologicamente não existe nenhum consenso a respeito do ciclo de vida dessas criaturas. Não se sabe, por exemplo, como é sua reprodução e se existe divisão entre machos e fêmeas. Não há nenhuma menção a gênero ou relato sobre filhotes. É possível que os jovens não sejam capazes de se mover pelos planos, mas mesmo os que exploraram a Cidade de Tindalos jamais viram uma criatura que não seja adulta.


É fato, entretanto, que os Mastins são seres inteligentes, dotados de uma consciência maligna e imoral que impele cada uma de suas ações. A motivação principal desses seres é perseguir, matar e desaparecer sem serem vistos. Para atingir seus objetivos, eles demonstram um nível de brilhantismo surpreendente, sendo tão ou mais inteligentes que seres humanos médios. Suas estratégias durante a caçada incluem cercar, enganar e atrair suas presas ludibriando e disfarçando quando necessário. Um Mastim também demonstra um prazer transcendental em provocar a morte, sendo que alguns agem com indisfarçável sadismo. Essas criaturas conseguem entender idiomas humanos e presume-se que alguns são perfeitamente capazes de se comunicar em línguas terrenas, ainda que com um timbre roufenho e gutural.

Em todas as referências feitas aos Mastins de Tindalos recomenda-se cuidado extremo. É possível que esses monstros hiperdimensionais sejam uma das formas de vida mais hostis a espécie humana, uma criatura cujo único propósito parece ser a destruição de forma ampla e completa.

Outras criaturas dos Mitos de Cthulhu e sua Anatomia Absurda:

Lloigor

Horror Caçador

Byakhee

Ghouls

Cor do Espaço

Shoggoth

Insetos de Shaggai

Andarilho Dimensional

3 comentários:

  1. Excelente texto, criatura terrível! Só uma sugestão: seria interessante citar em que conto a criatura descrita aparece.

    ResponderExcluir
  2. Meu primovme mostrou um texto sobre esses "cães" há muito tempo em uma revista de RPG, desde então, procurei informações sobre eles sem sucesso. Fiquei surpreso quando vi um post sobre eles aqui! Texto super explocado e bem escritoe detalhado! Ótimo trabalho!

    ResponderExcluir